6 dicas que preciso saber antes de começar a fazer terapia

A psicoterapia ou simplesmente “terapia” ainda é vista com olhos preconceituosos ao mesmo tempo que tem ganhado espaço e a confiança das pessoas. A verdade é que falar sobre “saúde mental” ainda gera dúvidas e provoca também uma sensação de medo… Medo que está sendo desmistificado graças ao debate sobre o tema que vêm crescendo desde quando começou a pandemia no Brasil. A busca por psicólogos cresceu 88%, de acordo com pesquisas do Google Trends, desde o início da quarentena no Brasil. Mas encontrar um psicoterapeuta pode causar inseguranças - especialmente quando o atendimento for online.

Uma coisa não precisa ser discutida: a psicoterapia realmente funciona. Estudos comprovam que acontecem mudanças neurobiológicas durante o tratamento em pacientes com depressão grave e então, de fato, há melhora e cura. Mas é claro que, embora exista um sentimento de paz momentâneo após a consulta, os resultados são melhores com o tratamento a longo prazo.

Escolher um psicoterapeuta não é tão simples quanto parece. É preciso ter consciência de que pode ser que há necessidade de várias tentativas até encontrar o “match perfeito”.

O que preciso saber antes de começar a fazer terapia?

1. Psicologias

É preciso saber que a psicologia engloba muitas teorias e métodos terapêuticos e que, geralmente, cada psicólogo segue uma vertente que irá embasar a interpretação das suas queixas, a investigação das origens de seus sintomas e questões, a maneira como te auxiliará no seu tratamento, além de influenciar a forma de interação com o paciente.

Assim como cada profissional se identifica mais com determinada teoria da psicologia, o paciente também pode ter maior ou menor afinidade com a vertente seguida pelo psicólogo. No entanto, para além da teoria, existe a subjetividade do psicólogo. É aí que entramos no próximo ponto.

2. Conexão é importante

Sentir-se conectado e à vontade com o profissional escolhido é imprescindível para que tenha sucesso em nosso processo terapêutico. A abordagem seguida pelo profissional vai desenhar a interação dele com você, mas nem só de teorias e vertentes se constrói o vínculo entre psicólogo e paciente. A subjetividade de cada profissional e paciente também permeia esta relação. É normal então se sentir mais à vontade com determinado profissional do que com outro, nos conectarmos mais com x ou y psicólogo neste processo.

3. O match perfeito

Considerando os dois pontos anteriores – as várias abordagens psicológicas e a subjetividade de cada profissional – precisamos pontuar que nem sempre o primeiro, segundo ou terceiro profissional psicólogo com quem você vai conversar será o seu psicólogo. A busca pela identificação e conexão com o psicoterapeuta pode se prolongar, mas não desanime! Existe uma diversidade enorme de abordagens e profissionais e cada um de nós, com certeza, encontrará alguém com quem vai sentir maior afinidade.

É importante dar a chance deste vínculo ser criado, mas se, após um período de terapia, você ainda não sentir esta conexão, seja sincero com o psicoterapeuta e continue sua busca.

4. Psicólogo não é médico

Os psicólogos não têm autorização para receitar medicamentos. Esta atividade é restrita aos médicos. O tratamento baseado apenas na psicoterapia é bastante efetivo em muitos casos, mas em casos mais severos, o uso de psicotrópicos pode ser necessário. Nestes, o profissional psicólogo deve encaminhar o paciente ao médico psiquiatra ou neurologista para avaliação e tratamento medicamentoso, além da psicoterapia.

5. A psicoterapia é trabalho conjunto

Uma das principais funções do psicólogo é auxiliar a encontrar nossas próprias respostas. Para isso, é preciso ter em mente que temos um papel ativo no nosso processo terapêutico. É preciso refletir e trabalhar sobre as queixas, fraquezas, tristezas, etc. Este trabalho, muitas vezes, não é fácil ou agradável, mas com certeza nos auxilia a lidar melhor com nossas questões e situações da vida.

6. As mudanças são gradativas

Um transtorno psicológico ou mesmo padrões comportamentais levam anos para se constituírem. Dificilmente é possível notar as mudanças de forma instantânea. O tempo do processo depende de muitas variáveis, mas o que é certo é que, na maioria das vezes, as melhoras não acontecem da noite para o dia, mas sim de maneira gradativa. Tenha paciência e comemore cada pequena mudança e avanço!

Agora é hora de colocar em prática e usar este novo conhecimento para buscar ajuda e um psicoterapeuta que seja perfeito para você e seu estilo de vida.

Você já sabe que aqui na HealthBit saúde mental é coisa séria e por isso apoiamos nossos colaboradores a fazerem terapia e cuidarem da saúde mental. Durante o mês de setembro lançamos uma campanha interna de Setembro Amarelo para conscientizar sobre a prevenção ao suicídio e mais do que isso: falar sobre autocuidado.

Este tipo de ação é essencial e muito importante para empresas, corporações e colaboradores porque é preciso cuidar e prevenir transtornos mentais como depressão, transtorno bipolar e do abuso de substâncias - e muitos podem até ser decorrente da rotina e ambiente de trabalho. Pensando neste cuidado, a equipe de saúde da HealthBit elaborou uma cartilha sobre Setembro Amarelo em Corporações. Lá é possível ter acesso ao material completo sobre o tema e ainda dicas de “como identificar que seu colaborador precisa de ajuda?” e “ações de prevenção em empresas”. Para fazer o download gratuito da cartilha para corporações, acesse: https://comunicacao.healthbit.com.br/setembro-amarelo-corporacoes.