A corrida da vacina: quando teremos vacina contra a covid-19?

Novas vacinas exigem anos de pesquisas e testes antes de finalmente serem aprovadas. Mas, além de trazer instabilidade no mercado e redescobertas nas formas de viver e trabalhar, o novo coronavírus também trouxe uma corrida contra o tempo para desenvolver uma vacina segura e eficaz contra a covid-19. E quando teremos esta vacina?

Recentemente, o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, declarou que uma vacina ou cura para a covid-19 talvez nunca se torne realidade do jeito que a população idealiza. Apesar dos julgamentos pessimistas, Tedros explicou que ainda não é possível saber até que todos os testes sejam concluídos mas há sim, sinais de esperança.

Atualmente, pesquisadores de todo o mundo estão estudando dia e noite para encontrar o que pode ser a solução do problema mundial e até a recuperação da economia. A Organização Mundial da Saúde reconhece mais de 165 vacinas e, destas, 30 já estão nas fases mais avançadas e com grande expectativas.

O processo e as fases clínicas da vacina

Para desenvolver uma vacina é preciso passar por uma série de fases até que chegue a aprovação e então começar efetivamente a produção. Por enquanto, a maioria das vacinas estão na fase pré clínica e apenas 2 estão na fase final de aprovação:

PRÉ CLÍNICA: É a fase inicial da pesquisa onde estão sendo testadas ideias e estratégias que se provem eficazes. Se inicia os testes em camundongos e macacos, cujos organismos reagem ao vírus de forma similar ao humano.

FASE I: Após dados positivos com testes em animais, se inicia a etapa de testagens em humanos. Eles são realizados com uma amostra muito pequena para verificar a segurança, potenciais efeitos colaterais e o equilíbrio entre a dose mais eficaz contra o vírus sem que cause danos a quem se vacinou.

FASE II: Nessa fase se inicia a testagem em centenas de pessoas para avaliar os resultados. O objetivo é avaliar a resposta imune do organismo à vacina, se os anticorpos produzidos possuem eficácia e se realmente a vacina tem potencial para imunizar contra o vírus.

FASE III: Fase que se avalia de fato a eficácia da vacina na prática. Para tanto, milhares de pessoas são vacinas, ampliando a escala de testes. A proposta nessa fase é avaliar como a vacina se comporta no mundo real, sendo assim a expectativa dos pesquisadores é que os voluntários efetivamente se exponham ao vírus para saber se eles estão ou não protegidos pelo composto.

APROVAÇÃO: Após a fase III, é possível assegurar que a vacina realmente funciona como se espera ou não. A partir desses resultados, a legislação de cada país decide se aprova ou não a vacina para ser distribuída para a população.

Neste informativo elaborado pelo time saúde da HBit você consegue ler sobre quais são as principais vacinas desenvolvidas.

Recentemente, as autoridades russas informaram que o país produziu o primeiro lote da vacina contra o novo coronavírus. "O primeiro lote da nova vacina contra a covid-19 foi produzido no Centro de Pesquisas Gamaleya", anunciou o ministério da saúde da Rússia em um comunicado, citado pelas agências de notícias do país. Por outro lado, alguns cientistas fazem um alerta: uma vacina desenvolvida de maneira precipitada pode ser perigosa, pois a fase final dos testes começou há pouco tempo.

Obstáculo: matéria prima

As fases e o processo do desenvolvimento e estudo das vacinas não são as únicas preocupações por aqui. O superintendente da Associação Brasileira da Indústria de Artigos e Equipamentos Médicos e Odontológicos (Abimo), Paulo Henrique Fraccaro, declarou que o Brasil pode encarar dificuldades na aplicação da possível vacina contra a covid-19 por falta de seringas e agulhas.

O problema é que Brasil vai precisar no mínimo de 300 milhões de seringas num prazo de três ou quatro meses e o tempo gasto para a produção de apenas 50 milhões de seringas é de cinco meses. E vale lembrar que o país não para de oferecer vacinas e nem as campanhas de vacinação do calendário do governo, como sarampo e gripe, ou seja, são ainda mais seringas na conta da produção.

De qualquer forma, o Ministério da Saúde já garantiu que as aquisições de seringas e agulhas serão compatíveis com a necessidade de cobertura populacional.

Protocolos de saúde

A ansiedade pela vacina e os avanços dos protocolos de fases impostos pelo governo, junto com a abertura de restaurantes e estabelecimentos, podem causar a falsa impressão de relaxamento nos protocolos de saúde. Porém, Tedros Adhanom Ghebreyesus, da OMS, recorreu ao LinkedIn para lembrar a população de continuar usando máscaras e álcool gel.

A Organização Mundial da Saúde ainda lançou um desafio, que começou na sexta-feira, dia 14: #WearAMask Challenge. A ideia é conscientizar as pessoas a continuar usando a máscara e para isso, publique uma foto com a hashtag do desafio e ainda incentive outros amigos a fazer o desafio também. Nas redes sociais oficiais da HealthBit (LinkedIn, Facebook e Instagram) já publicamos nosso desafio com nosso time usando máscara!

E ainda vale lembrar que a máscara sozinha não vai impedir a contaminação do vírus, por isso, é preciso seguir as recomendações da OMS:

  • Manter distância física
  • Lavar as mãos com frequência
  • Usar álcool 70% para limpar superfícies e higienizar as mãos
  • Evitar aglomeração
  • Cobrir boca e nariz com o braço ao espirrar ou tossir e lavar as mãos imediatamente

  • Temos que reconhecer que estudos sobre a vacina estão sendo desenvolvidos a uma velocidade surpreendente, nunca visto anteriormente, num esforço contínuo e mútuo de diversos pesquisadores e países.

    Apesar dos vários testes em andamento e muito promissores com prazo curto de serem aprovados, a confecção e distribuição das vacinas em larga escala não é tão rápida. Dessa forma, mesmo com uma vacina criada não significa que toda a população será vacinada no mesmo mês ou mesmo ainda este ano.

    No Portal COVID-19 da HealthBit ainda é possível fazer download dos materiais completos elaborados pela equipe de dados e saúde da HBit, com informações oficiais e atualizadas sobre a situação do novo coronavírus e como proteger seus colaboradores. Lá você vai encontrar informações sobre como usar a máscara, isolamento social, o que precisa saber sobre testes e muito mais!