Novembro Azul: hábitos dos homens que impactam a saúde

O mês de novembro é marcado pela campanha Novembro Azul, que foca na conscientização para o cuidado da saúde do homem e, principalmente, para a atenção deles a respeito do câncer de próstata, que é a segunda principal causa de morte por câncer em homens, atrás apenas do câncer de pulmão.

Como já falamos no post sobre o Novembro Azul ser um lembrete para o autocuidado dos homens, existem muitos dados que comprovam que, por diversos fatores, os homens não cuidam tanto da saúde.

Os homens vivem, em média, 7,3 anos a menos que as mulheres. A cada 5 pessoas que morrem entre 20 e 30 anos, 4 são homens, principalmente por causas evitáveis (como brigas e acidentes de trânsito e violência). 73% das mortes no trânsito ocorrem entre homens com menos de 25 anos.

Como já falamos no outro post: para além de conscientizar sobre o câncer de próstata, Novembro Azul pode ser uma ótima oportunidade de criar uma cultura de autocuidado com a saúde dos homens, dentro do ambiente profissional e na vida pessoal.

Por isso, no #BlogHBit desta semana, vamos falar sobre os hábitos que podem prejudicar a saúde dos homens e causar outras doenças além do câncer de próstata, para ressaltar que o cuidado com a saúde sempre tem que ser completo.

Radar da saúde do homem

O Ministério da Saúde possui diversos dados que mostram que os homens se preocupam menos com o estilo de vida. Alguns deles são:

  • 57% dos homens têm sobrepeso;
  • 18% dos homens são obesos;
  • 25% consomem bebida alcoólica;
  • 12% dirige alcoolizado;
  • 13% dos homens fumam, enquanto esse número para mulheres é de 8%;
  • 31% faz consumo regular de frutas e hortaliças, sendo que para mulheres esse percentual é de 43%.

Hábitos que impactam a saúde dos homens

Alcoolismo
img

Como 25% dos homens consomem bebida alcoólica, é importante ressaltar o que o uso nocivo do álcool pode causar.

Segundo a Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS), da Organização Mundial da Saúde (OMS), o consumo de álcool é um fator causal em mais de 200 doenças e lesões. E está associado ao risco de desenvolvimento de problemas de saúde, como distúrbios mentais e comportamentais, incluindo dependência ao álcool, doenças não transmissíveis graves, como cirrose hepática, alguns tipos de câncer e doenças cardiovasculares, bem como lesões resultantes de violência e acidentes de trânsito.

Inclusive, de acordo com a OMS, o álcool mata cerca de 3 milhões de pessoas em todo mundo a cada ano, representando uma em cada 20 mortes. Nesse relatório sobre o consumo global e suas consequências para a saúde, a Organização apontou que o consumo de álcool mata mais pessoas do que a AIDS, a tuberculose e a violência combinadas.

Ainda segundo a OMS, pelo menos 5,3% das mortes em todo mundo são relacionadas ao álcool a cada ano e os homens correspondem a três quartos dos óbitos registrados.

Tabagismo

Esse hábito é muito prejudicial não só para o fumante, como para as pessoas ao redor. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o uso do cigarro mata mais de 8 milhões de pessoas por ano no mundo todo. Dessas mortes, em torno de 7 milhões resultam do hábito de fumar e 1,2 milhão é de um grupo de não fumantes expostos passivamente à fumaça do cigarro.

Só no Brasil, de acordo com dados do Boletim Epidemiológico do Ministério da Saúde, são mais de 160 mil mortes anuais atribuíveis ao tabaco, o que representa 443 mortes por dia.

No #BlogHBit já falamos sobre o tabagismo, sua relação com a saúde mental e o porquê recomenda-se parar de fumar. Mas, em resumo, a cada tragada dada em um cigarro são inaladas mais de 4.720 substâncias tóxicas, além de 43 substâncias cancerígenas.

Além disso, fumar pode, diretamente, causar cerca de 50 doenças, entre elas, diversos tipos de câncer, doenças cardiovasculares e respiratórias crônicas. E, também, as pessoas que fumam podem ter infecções, como sinusite, pneumonias e tuberculose, com mais frequência e terem os mecanismos de defesa do organismo prejudicados.

img

Se você quer um incentivo a mais, diversos benefícios podem acontecer se você parar de fumar agora:

  • Após 20 minutos, a pressão sanguínea e a pulsação voltam ao normal;
  • Após 2 horas, não há mais nicotina circulando no sangue;
  • Após 8 horas, o nível de oxigênio no sangue se normaliza;
  • Após 12 a 24 horas, os pulmões já funcionam melhor;
  • Após 2 dias, o olfato já percebe melhor os cheiros e o paladar já degusta melhor a comida;
  • Após 3 semanas, a respiração se torna mais fácil e a circulação melhora;
  • Após 2 dias, o olfato já percebe melhor os cheiros e o paladar já degusta melhor a comida;
  • Após 1 ano, o risco de morte por infarto do miocárdio é reduzido à metade;
  • Após 10 anos, o risco de sofrer infarto será igual ao das pessoas que nunca fumaram.
Agressividade e raiva

De acordo com os Dados de Morbimortalidade Masculina no Brasil, de 2015, do Ministério da Saúde, algumas das principais causas de morbidade da população masculina eram lesões, envenenamento e algumas outras consequências de causas externas.

Além disso, o Registro Civil de 2017 apontou que homens entre 20 e 24 anos tinham 11 vezes mais chances de morrer por causas não naturais, como homicídios, suicídios, acidentes de trânsito, afogamentos, quedas acidentais etc., do que as mulheres com a mesma faixa etária.

No mesmo documento do Ministério da Saúde, de 2015, é apontado que, entre os óbitos por causas externas, destacaram-se as mortes devido à agressão por meio de disparo de outra arma de fogo ou de arma não especificada, com 29.297 óbitos. Sendo que 95% desses óbitos ocorreram em homens.

Por isso, é recomendado que os homens tenham mais paciência no dia a dia e que não caiam em pequenas provocações no trânsito, na rua, de conhecidos, familiares.

Isso porque a sua vida vale mais do que uma discussão.

Para falar sobre essa doença e a importância dos cuidados com a saúde dos homens, além de ações de Novembro Azul dentro das empresas, a HealthBit vai realizar o webinar gratuito "Muito Além do Novembro Azul: o homem e o autocuidado".⁠

img

O evento acontecerá dia 17 de novembro, no Dia Mundial de Combate ao Câncer de Próstata, às 17h30, e terá participação do Conrado Silveira, analista de saúde da HealthBit, Adolfo Scherr, oncologista nos Hospitais Vera Cruz e PUC-Campinas, e Phelipe Monteiro Felicio, gestor de Saúde Assistencial e Ocupacional da EDP.⁠

Para se inscrever, cadastre-se no site http://healthbit.paginas.digital/muito-alem-do-novembro-azul