Salário emocional: o que é e como começar a implementar na sua empresa

Com o passar do tempo e a importância da felicidade e qualidade de vida, os profissionais pararam de escolher a empresa em que irão trabalhar apenas por conta do salário oferecido. Atualmente dão preferências aquelas que trazem benefícios para o crescimento profissional e bem-estar pessoal. E isto é conhecido como salário emocional: tudo aquilo que é oferecido pela empresa, mas que não é contabilizado financeiramente.

Uma pesquisa realizada, pela então empresa chamada Love Mondays, hoje Glassdoor, feita com talentos do Brasil, México e Argentina mostrou que os trabalhadores brasileiros são os menos satisfeitos com o trabalho. O estudo analisou os níveis de satisfação em relação a oportunidades de carreira, cultura da empresa, qualidade de vida, remuneração e benefícios e o serviço em geral.

O salário emocional, então, é um conjunto de benefícios que tem fatores emocionais e motivacionais que fazem com que a pessoa comece a trabalhar em uma empresa e, mais do que isso, continue trabalhando nela - e motivado a realizar seu trabalho. Ele tem relação com o ambiente, a forma com que a organização possibilita um equilíbrio entre a vida profissional e pessoal e outros fatores que falaremos ao longo deste post.

Qual a importância do salário emocional?

O salário emocional passa a se tornar importante para diminuir a taxa de turnover dos colaboradores e, também, deixá-los mais motivados e produtivos.

De acordo com uma pesquisa da Bright Horizons, dois terços dos funcionários que disseram estar com alto nível de satisfação colocam um esforço a mais nas tarefas realizadas por eles.

E tudo isso pode trazer um retorno financeiro positivo para a empresa: um dos autores da pesquisa Creating People Advantage, da empresa BCG, as organizações que contam com um RH eficiente têm resultado econômico duas vezes maior do que as que possuem uma gestão de pessoas enfraquecida.

Quais as bases e como implementar o salário emocional?

Desta forma, o salário emocional possui algumas bases, que pode apresentar alguns dos benefícios que podem ser oferecidos pela organização.

Desenvolvimento pessoal e profissional

Quando o colaborador sente que tem possibilidade de realizar cursos para crescimento pessoal e profissional, ele se sente mais valorizado e bem-vindo na empresa.

Tudo isso melhora ainda mais quando a própria organização oferece cursos ou um valor para algum curso que o talento queira fazer - que ajudará suas tarefas do dia a dia.

Então, algumas ações que podem ser feitas na empresa é possibilitar algumas horas por meses para realização de cursos, pagar alguns cursos e incentivar os colaboradores a fazer cursos em diversas áreas.

Ambiente agradável

Um ambiente de trabalho agradável, onde todos se ajudam e não há um estresse no cotidiano, é uma das bases do salário emocional. Quando a pessoa chega animada para trabalhar e não com medo ou esgotada pelo clima pesado do lugar, ela fica mais produtiva e engajada.

Isso pode acontecer com um estímulo para que todos sejam receptivos com as pessoas, uma política de feedback progressivo - pois, assim, se sabe que as coisas não ficaram mal resolvidas -, uma comunicação clara e sem ofensas, além de fazer ações e encontros de interação entre os colaboradores, para que se conheçam e tornem o ambiente cada vez melhor.

Cultura e valores alinhados

Funcionários e empresa com cultura e valores alinhados fazem tudo fluir de forma mais tranquila. Por um se identificar com o outro, é muito mais fácil para que o colaborador tenha ações compatíveis. Além de também, trazer uma noção de identificação e sentido muito forte com o serviço realizado.

Assim, tenha tanto uma cultura quanto valores bem definidos e claros e faça uma boa triagem nos momentos de contratação para encontrar pessoas que se identifiquem com eles.

Se necessário, realize treinamentos para os novos funcionários entenderam completamente a empresa e cada ponto da cultura.

Fazer parte das decisões

Quando os líderes pedem a opinião de todos para tomar alguma decisão, o sentimento de pertencimento e de importância do colaborador aumentam. Ele sente que realmente é uma parte essencial e decisiva da empresa.

Então, sempre que houver alguma decisão que possa, e precise, contar com a opinião de mais pessoas, pergunte.

Equilíbrio entre vida profissional e pessoal

Quando a organização incentiva e cria a possibilidade de que o colaborador tire momentos e períodos para resolver questões da vida pessoal, cria-se uma relação de confiança e gratidão.

Justamente por muitas empresas criarem diversos empecilhos para isso, quando uma empresa traz a viabilidade de flexibilização de trabalho, o autocuidado e bem-estar pessoal para que a pessoa se organize no âmbito pessoal e profissional, o colaborador fica mais feliz e satisfeito com o trabalho

Além disso, a organização pode incentivar o cuidado com a saúde mental do funcionário, inclusive neste período de home office, como é feito aqui na HealthBit, que é uma parte muito importante da vida pessoal e que reflete diretamente na vida profissional.

Inclusive, por estarmos no mês de prevenção ao suicídio, conhecido como setembro amarelo, a equipe da HBit está desenvolvendo diversos conteúdos sobre saúde mental como esta cartilha sobre como implementar a campanha do setembro amarelo na sua empresa.

Esses são exemplos de algumas bases do salário emocional, porém, o mais importante é prestar atenção à necessidade do seu quadro de talentos. Se eles gostam de boas políticas de avaliação e de happy hours frequentes, ofereça isso a eles. Observe e realmente se atente ao perfil e desejos deles e encontre um bom equilíbrio entre vida pessoal e profissional.

Fique ligado no nosso blog para saber mais sobre como melhorar o bem-estar e a saúde do seu colaborador.